O que é “suitability” e como ele pode ajudar você a investir melhor

Publicado por Israel Alves em julho 3, 2020

No artigo de hoje O que é “suitability” e como ele pode ajudar você a investir melhor, vamos discutir a importância do processo de identificação de tolerância ao risco dos investidores. 

Muitos não sabem, mas existe uma regulação que exige a análise de perfil dos investidores por parte das corretoras. Isso acontece para que elas possam ofertar apenas os produtos financeiros adequados ao perfil de risco do investidor. 

O perfil de risco está diretamente ligado a tolerância ao risco e existem, basicamente, três tipos de perfis: conservador, moderado e agressivo. O processo de definir o perfil de risco é conhecido no mercado pelo nome de suitability, que em português pode significar adequação/aptidão/compatibilidade. 

O suitability consiste na aplicação de um formulário utilizado pelas corretoras para definir o perfil de investidor e adequá-lo ao melhor tipo de investimento. 

Dessa forma, a corretora consegue distinguir quais produtos possuem uma maior aproximação com o perfil de seu cliente, disponibilizando operações específicas para este perfil, evitando, assim, frustrações futuras, principalmente no mercado de renda variável, no qual a volatilidade dos ativos é bem recorrente.

Conheça abaixo os 3 perfis de investidor

Conservador

O investidor conservador é aquele que preza pela segurança de seus investimentos. Por isso, ele pode acabar investindo a maior parte de seus recursos em renda fixa e a menor parte em renda variável

Moderado

O investidor moderado também simpatiza com a renda fixa por motivos de segurança, porém não abre mão de destinar uma parte de seus recursos à renda variável

Podemos dizer que um investidor moderado é aquele que busca alternativas de investimento para distribuir o seu capital. Resumindo: busca um risco médio e aceitável. 

Agressivo

Por fim, o investidor agressivo é aquele que procura por uma alta rentabilidade. Ele está muito ligado ao mercado de renda variável

Um investidor assim é capaz de suportar os riscos em busca de excelentes resultados. 

Agora que nós já aprendemos um pouco sobre os perfis de investidor, vale a pena ressaltar uma diferença importante entre renda fixa e renda variável, uma vez que o suitability é utilizado para conduzir os investidores  que pretendem investir na segunda modalidade.

Vamos lá!

Diferença entre renda fixa e renda variável 

Renda Fixa

O raciocínio é simples: a renda fixa é um tipo de aplicação que permite ao investidor conhecer os rendimentos no ato da contratação. 

Ou seja, é como se investidor emprestasse dinheiro em troca de uma garantia (juros) definido no momento do empréstimo.

Os títulos de Renda Fixa se dividem em duas formas de remuneração:

Pré-Fixados

Na remuneração pré-fixada, a rentabilidade de um título é definida no momento da aplicação em taxa de retorno anual (ex: 5% ano ano) ou de acordo com o valor do capital no vencimento (ex: R$ 1.000,00 ao vencer).

Pós-Fixados

Os títulos pós-fixados pagam de acordo com a variação de algum índice. Ou seja, o valor real é conhecido somente no final do prazo estabelecido. 

Em resumo, na modalidade de Renda Fixa, o investidor já sabe o quanto e quando vai receber o retorno. 

Mesmo que a empresa quebre ou entre em um período de prejuízo (afinal, ele está emprestando dinheiro e a empresa precisa devolver), o dinheiro deverá ser pago de acordo com o combinado.

O contrário também é válido: se a empresa se destacar no mercado e lucrar mais do que o esperado, o investidor não poderá a mais por isso, devendo receber somente o que foi acordado. 

Renda Variável 

A renda variável segue uma lógica diferente da renda fixa. Ou seja, a rentabilidade de um investimento não pode ser pré-definido. 

Um dos melhores exemplos para ilustrar o Mercado de Renda Variável é o Mercado de Ações, uma vez que o preço das ações muda o tempo todo, refletindo inúmeras variáveis financeiras. 

Quando o investidor compra uma determinada ação, é como se ele se tornasse sócio dela. Assim, a distribuição dos lucros poderá depender da saúde financeira da empresa. 

Outra forma para investir em renda variável é por meio dos fundos imobiliários. 

Exemplo: Você adquire a cota de um imóvel e lucra com o seu aluguel. As quantias são pagas mensalmente e podem variar de acordo com as receitas recebidas com inquilinos. 

Em resumo, a diferença entre as duas formas de investimento se dão na formação dos preços, da rentabilidade e dos mercados.

A revolução do suitability 

Como podemos ver, o processo de suitability envolve a compreensão dos perfis de investidor e seus diferentes objetivos em relação ao mercado financeiro. 

É importante compreender inclusive a natureza da renda variável, modalidade de investimentos que envolve certo risco por conta da volatilidade do mercado

Não podemos deixar de lembrar que “onde há risco, também há retorno”. A grande questão é descobrir o quanto as pessoas, no papel de investidores, estão dispostos a encarar o mercado de ações. Por isso a importância do processo de análise de tolerância ao risco. 

As ferramentas de suitability existentes até então não foram capazes de solucionar o problema de adequação dos investidores aos produtos de investimentos disponíveis, dificultando a experiência dos investidores no mercado financeiro e gerando insatisfação.

Pensando nisso, nós desenvolvemos o Simon, uma ferramenta sofisticada de suitability

O Simon é uma ferramenta capaz de adequar os melhores produtos de investimentos aos diversos perfis de investidores existentes no mercado, dos conservadores aos  mais agressivos. 

Ele foi criado para suprir uma grande carência por mecanismos precisos capazes de encontrar soluções de investimentos adequados aos objetivos dos investidores/consumidores.

O Simon utiliza um processo de computação cognitiva para encontrar as melhores oportunidades de investimentos. E o melhor de tudo, você pode usar o Simon de maneira totalmente gratuita. 

É isso mesmo. Você vai poder usar a nossa ferramenta de suitability sem pagar nada. Para experimentar o Simon, basta clicar no botão abaixo! 

Categorias: Dicas

Posts relacionados

Imagem post - Giro Semanal – 19/10/20

Bem-vindos ao Giro Semanal - 19/10/20.

Vamos às últimas notícias da semana.

Leia mais...

Imagem post - TradeMachine: Uma casa de análises quantitativas

Você provavelmente já ouviu falar em casas de análise, também conhecidas como casas de research, empresas independentes que fornecem análises par Leia mais...

Imagem post - Giro Semanal – 13/10 – Ibovespa com forte valorização

Bem vindos ao nosso Giro Semanal - 13/10. Chegou a hora de ficar informado.

Depois de cinco semanas consecutivas de queda, o Leia mais...